QUEM EU AMO

QUEM EU AMO?

JUJU SE VOCÊ FIZER POSE PRA FOTO EU JOGO BOLA COM VOCÊ... MORRI!



CUIDADO COM SUAS PALAVRAS

Mesa do almoço posta na varanda. De lá se via um montão de folhas de bananeiras, galhos secos e folhas de árvores amontoados na chácara vizinha em direção horizontal para nós. Qualquer tempestade de ventania traria as folhas secas para a nossa chácara, diretamente para a piscina, de águas límpidas e serenas. Meu filho comentou: “Puxa, por que não limpam mais”? – Ao que prontamente respondi: “Os donos idosos morreram, os filhos não querem saber de nada e os netos...  Ah, os netos só querem saber de se aproveitar, são uns vagabundos”! -  Minha netinha de dois anos e onze meses, que eu pensei que não estava nem aí pra nossas conversas acrescentou: “Credo, vovó, sou sua neta e você tá me xingando”? 

Liz Rabello


MINHA BORBOLETINHA NA FESTA DA PRIMAVERA



DE DENTRO DA VIDA
A ALEGRIA DE UM SORRISO FELIZ


MINHA JUJU NA FESTA DA FAMÍLIA











JUJU TOMANDO POSSE DE SUA CASINHA DE BONECA



BRINCAMOS ATÉ ANOITECER <3




DE DENTRO DA VIDA 

Se agasalham os sonhos
Para não morrerem de tédio
Casulos permanentes
Quando se abrem as páginas
Ah, que gozo magnífico
Borboletas voam
Desapegadas
Alegres
Livres sem noção
Loucas de emoção
Em queda livre
Precipício de incertezas
Asas de uma asa delta

Liz Rabello


GRATIDÃO

Minha Juju me lembra demais a imagem de minha irmã, quando aqui cheguei e fui recebida por ela. Mais velha do que eu apenas dois anos, idade que a Julia tem agora. Cada vez que olho para minha menina, fico emocionada ao me lembrar da saudade que sinto por ela. Minha amada irmã, que já mora nas estrelas. E é uma sensação muito boa, porque Juju é alegre, é ligeira, é por demais carinhosa. Fui em sua escola, ontem, participar da Festa da Primavera e do Dia da Árvore, plantando sementinhas com minha fofura. Estávamos todos, pais, avós, tias, na entrada do corredor, à espera dos pequenos, que chegaram em fila indiana, bem comportadinhos. Isto até a Juju me ver, porque daí disparou na minha direção e me deu um abraço louco aos berros: “Bovó, você está aqui”? Seguida pelos outros que a imitaram. Esta cena me reportou há mais de trinta anos atrás. Como professora de nível I tinha obrigação de fazer festinha do dia das mães para meus alunos. Data marcada pela Direção. Enquanto que na Chácara Mundo Feliz, meu pequenino filho também fazia festa para mim. Pedi à professora dele, que o deixasse por último, porque chegaria atrasada, com certeza. Combinado, dito e realizado. Quando cheguei, a festinha já estava no fim e meu filho no palco declamando pra mim. Entrei correndo e ele saiu correndo do palco, sorrindo e terminando de declamar pelo corredor afora. Pelo abraço forte da Juju e pelas lembranças do passado, eu me emocionei e chorei novamente. Gratidão por minhas memórias!

Liz Rabello





MEUS NETOS NUMA FESTA: ELE TODO COMPORTADINHO E ELA... BEM, NÉ??
SE JUJU NÃO SORRI É PORQUE ESTÁ COMENDO OU "ROUBANDO DOCINHOS"


TIVE UMA IDEIA!







QUEM EU AMO?

SÓ VOCÊ?  NÃO... CABEM NO MEU CORAÇÃO, UMA PORÇÃO DE AMORES


QUATRO DIAS JUNTOS EM UBATUBA NÃO FORAM SUFICIENTES PARA MATAR AS SAUDADES, SEMPRE PLURAL, DO MEU AMOR NETINHO...  TEVE MUITO RAP, RISADAS, DECLARAÇÕES DE AMOR NO PEDÁGIO!  VALEU ATÉ O ESCONDE-ESCONDE EMBAIXO DO ARMÁRIO DA SALA...  



 









 PRAIA DE LAGOINHA


UMA DAS PRAIAS DAS SETE TRILHAS




 BONETES



LAGOINHA


UBATUMIRIM


PRAIA DA RAPOSA



CAFÉ DA MANHÃ NO DIA DAS MÃES 2017


Momentos raros
Olho com meus sentidos da alma
Profundamente em seus olhos
Para garantir a riqueza de detalhes
Dentro da memória
E de sua graça desfrutar
No pulsar da saudade

Liz Rabello





PRIMEIROS SELFIES - JUJU POR ELA MESMA





AMO ORQUÍDEAS DO MEU PARAÍSO








TOMANDO POSSE DO QUE É MEU...   UBATUBA, ME AGUARDE!


ABRINDO PORTAS E JANELAS PARA UM PARAÍSO












DA JANELA DO MEU QUARTO...







PRAIAS PRÓXIMAS


Espetacular!!!!!!!!!!!!!!!! UBATUMIRIM é uma prainha que o acesso é só pela mata, numa trilha, ou então por aquele braço de mar.... 






LAGOINHA - UBATUBA



ESTRELANDO E ESTREANDO NA PINTURA CONTEMPORÂNEA


ATIVIDADE COM A FAMÍLIA...  PINTURA NA CEI... JUJU ADOROU E EU TAMBÉM ... 

Eu a deixei jogar tintas, esparramar a esmo, depois fizemos intervenções e eu a ensinei a molhar só um pouquinho e depois com a ponta do pincel borrar a tela... Fizemos sol, que virou nuvens, que virou coração, que virou flor... Foi demais. A cada desenho ela ria pra mim... Não sei o produto final, mas o processo foi dez...  Mil!



"Me larga bovó, eu sei como fazer! "
Esta é a Juju. Todo mundo deixando a mãe, 
o pai ou a vovó ensinar a pintar e a Juju não me deixava agir..



DIA 12/11/2016, JUJU COMPLETOU  DOIS ANINHOS...



SÓTÃO MÁGICO É O MELHOR LUGAR DO MUNDO PARA FESTEJAR ANIVERSÁRIO... LÁ TEM ALEGRIA O ANO INTEIRO...











FELIZ ANIVERSÁRIO BONEQUINHA DA "BOVÓ"... OLHA QUE GRAÇA, EU LHE DEI DE PRESENTE O QUE ME PEDIU: UMA BONECA QUE FAZ COCÔ... ELA PREPARA AS COMIDINHAS E AS COLOCA NO FORNO, DEPOIS PÕE NA BOCA DA BONECA, TROCA FRALDA, VESTIDINHO E POR ÚLTIMO A COLOCA NO PINIQUINHO... SEU MUNDO INFANTIL É REPLETO DE POESIA VIVA... AMO ESTA NENÉM TANTO QUE NÃO CABE NO MEU CORAÇÃO








MINHA NETINHA JUJU E NOSSAS HISTÓRIAS INFANTIS... DELÍCIA DE HORA!

CANTAMOS, DANÇAMOS E AS HISTÓRIAS FORAM NARRADAS COM IMAGENS E PALAVRAS...


BOVÓ, LEIA SOPINHA PRA MIM?



FRANGUINHA RISCADINHA É A SUA HISTÓRIA PREDILETA
UM LIVRO INFANTIL DE MINHA AMIGA VERA MARGUTTI


BOLINHAS DE GUDE OU UVINHAS???  UMA DELÍCIA, NÉ, JUJU?



BRINCANDO E SE ALIMENTANDO...   ADORO ESTE PEDACINHO DE AMOR!



ACABÔOOOOOOOOOOOOOO!



UMA BONEQUINHA EM MINHA VIDA...  DEUS SEJA LOUVADO








MEU NETINHO AMOROSO ESTÁ FICANDO UM HOMENZINHO

ESTÁ MAIS ALTO DO QUE EU..


PRECISO ARRANJAR UM COELHINHO AZUL PARA ESTA MÔNICA DA PÁ VIRADA



JUJU LIGEIRINHA NÃO PÁRA NENHUM SEGUNDO


LEVADA DA BRECA, MINHA NETINHA É DA PÁ VIRADA, REBOLA, DANÇA, CORRE, PUXA ORELHA DA VARETA, ADORA UM CHUTE DE BOLA E BRINCAR DE ESCONDE ESCONDE...   É MUITO ALEGRE E LIGEIRINHA DEMAIS!




MINHA JUJU ESTÁ FICANDO MOCINHA...  






VITÓRIA QUIS BRINCAR DE BONECA. JUJU ERA O BEBÊ, 
MAS ELA PRÓPRIA SÓ QUIS A BOLA.



JUJU É MUITO CARINHOSA COMIGO...  UM AMOR COR DE ROSA EM MINHA VIDA!



FESTA DE UM ANINHO DA JUJU









MENINA SAPECA
Juju veio me visitar e se soltou. Esqueceu que tem medo de andar. Pegou a vassoura com uma mão e com a outra panelas ao ar. Botou a Vareta pra fugir. Em lugar de andar, corria! Pisou na vasilha de água da cadelinha assustada. Sujou o vestidinho de comida canina. Não dava tempo de socorrer suas traquinagens, logo inventava outra mais grave pra fazer.
Liz Rabello


NESTE NATAL TENHO MUITO A AGRADECER PARA DEUS, MEU PAI E AMIGO:    JUJU SAUDÁVEL, FELIZ E MUITO AMADA...  OBRIGADA MEU DEUS!







ANIVERSÁRIO  DO  GUSTAVO  E  DO  GABRIEL











MINHA BONEQUINHA


CONFIANÇA NA VOVÓ...    AMO DEMAIS ESTA TERNURINHA!



JUJU LENDO PELA PRIMEIRA VEZ...


JUJU BRINCANDO DE COMER DE MENTIRINHA...


JUJU DESCENDO SOZINHA DO SOFÁ AOS ONZE MESES...  AMO ESTA PERERECA





CONVERSANDO COM MINHA NETINHA... OBSERVEM A EXPRESSÃO DELA. ADORA OUVIR BEM BAIXINHO "EU TE AMO"... MAS NÃO GOSTA DO FLASH DA MÁQUINA.






JULHO, FÉRIAS, ANIVERSÁRIOS DE FILHOS, NORA E NETINHO... AMO SER VOVÓ! É MINHA MAIS DOCE ALEGRIA NA VIDA... OBRIGADA, MEU DEUS, POR TANTA FELICIDADE!






VARETINHA   A VIRALATINHA  MAIS  ESPAÇOSA  DO PLANETA!



SUCESSO NO INSTAGRAM...  2308  CURTIÇÕES



OUVIR ESTRELAS

Ora ( direis ) ouvir estrelas!

Certo, perdeste o senso!

E eu vos direi, no entanto

Que, para ouvi-las,

muitas vezes desperto

E abro as janelas, pálido de espanto 

E conversamos toda a noite,

enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,

Cintila.

E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,

Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!

Que conversas com elas?

Que sentido tem o que dizem,

quando estão contigo?"

 - eu vos direi:

"Amai para entendê-las!

Pois só quem ama pode ter ouvido

Capaz de ouvir e de entender estrelas

(Olavo Bilac)


Cresci em meio às suas brincadeiras: menininha de pernas grossas e tortas. Às vésperas do meu casamento, ofereceu-me uma casinha de bonecas para morar enquanto não comprasse a casa própria. Quando a adquiri, ajudou-me. Vinha sorrateiro em meu novo lar. Abria a geladeira, via o que tinha, trazia da feira o que faltava! Às vezes deixava uma nota de dez embaixo da toalhinha da geladeira, de forma que eu a visse e comprasse o que queria. Nem se eu vivesse a vida toda dizendo-lhe obrigada, poderia agradecer ao “feijão”... Que comprava meus sonhos! Na ausência do pai falecido, meus filhos aprenderam a amá-lo! A respeitá-lo! A imitá-lo!"

(In "O PULÔVER DO TIO VIRGÍLIO", de Liz Rabello, INTERVALOS, Editora Beco dos Poetas, 2013)


SEGREDO

Ouvindo estrelas
e vendo o céu estrelado
Vontade louca de te contar
Adonio, meu tio amado
Fui sorteada para uma
Cadeira de Imortal
na ALPAS, Porto Alegre...
Sabe quem será o meu Patrono?
É só lembrar
"Amai para entendê-las, pois só quem ama
é capaz de ouvir e de entender estrelas"
Em minha medalha um nome gravado:
Bilac... Olavo Bilac!

Liz Rabello





DELÍRIO DE ALEGRIA
Quando meu primeiro netinho nasceu dei-lhe de presente uma coleção de livros ilustrados. Eram histórias sobre animais muito curtas e alegres. Todos me disseram que era cedo demais. Então comprei outros, uns que era possível brincar no banho, sujar, lavável, até serem usados na hora da comida como guardanapos. Mas meu netinho gostava mesmo é de quando lia para ele. Até hoje é assim. E lá se vão mais de dez anos. Colocava-o no bercinho e mostrava as ilustrações. Logo percebi que a história do gatinho sapeca era a sua predileta. Um galo zangado protegendo a galinha e sua ninhada corria atrás do gato. Ele puxava o livro e ficava olhando para o gato, com muita atenção. Eu mostrava os pintinhos, que a meu ver eram mais fofos, mas ele gostava mesmo era do gato.


A surpresa maior foi quando meu amor começou a engatinhar. Chegou pertinho de mim, apoiou-se em minhas pernas para ficar ereto, com o dedo indicador apontou para a foto do gatinho e murmurou sua primeira palavra: “gato”. Eu delirei de alegria.



Liz Rabello










VITÓRIA EM LANÇAMENTO DE SUA PRIMEIRA ANTOLOGIA...
 MAIS UMA ESCRITORA NA FAMÍLIA!














UM BEIJO PARA QUEM ME ACHAR NO MEIO DA FAMÍLIA...








AMO TODOS OS MEUS ALUNINHOS DO PASSADO E DO PRESENTE...
ABRAÇO COM PALAVRAS

A você, meu amor,
Que meus braços não alcançam,
Eu abraço com palavras!
E Palavras são como pássaros
Voam em todas as direções
E se encontram rios, criam pontes
Onde o Amor vai e vem!
Palavras são como vento
Naufragam no pensamento
Passam pelas frestas
Entreabertas das janelas
Escancaram portas fechadas
Enternecem corações!
Palavras são como as águas
Correm pelas curvas das calçadas,
Pelos declives do caminho,
Em busca de um ribeirinho
Mas se juntam a outras águas,
Para unir as multidões!
Palavras são como as cores
Arco íris leste/oeste
Tingindo o branco de tons
E o preto de brilho!
Amanhecendo a aurora
Com a luz da madrugada
Tecendo o entardecer de rubro anil
Sorrindo para a vida que dorme logo ali!
Palavras é como a música
Alimenta a alma
Rejuvenesce o espírito
Amadurece o coração do jovem
Para entender o verdadeiro sentido da vida!

Palavras só podem ser usadas com Amor!

(Liz Rabello, in MIL PEDAÇOS, Editora Beco dos Poetas, 2012)




















O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo...

Creio no mundo como num malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele

Porque pensar é não compreender...

O Mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,

Mas porque a amo, e amo-a por isso

Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe por que ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência não pensar...



Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos", 8-3-1914









CUIDAR DOS MEUS JARDINS... 






EU TE AMEI...  TUDO ACABOU, MAS NA MINHA MEMÓRIA FICARÃO LEMBRANÇAS BOAS DOS "MEUS SENTIMENTOS" PARA VOCÊ...




Deixe o coração falar
Cem razões
sem razão
a tecer ilusões
Bom demais 
Só te amar!

Liz Rabello


VOCÊ

Você chegou na hora certa
No outono exato de meu viver
Momento certo em que eu já estava
Desistindo de sobreviver
Mancando de dor por não mais querer...

Abriu as portas de minh’ alma
Escancarou as janelas do coração
Trouxe alegrias paz segurança
carinho compreensão e de bandeja
me oferece beijos desejos gozo em profusão

Você chegou e tomou conta do meu viver
E agora nenhuma noite eu acordo sem saber
Ou procurar você para em tuas mãos me esconder
E me deliciar de teu cheiro e me enebriar de prazer
Para não mais me deixar nenhum suspiro sem você!

Liz Rabello


UM PAR DE APAIXONADOS NUM TEMPO CINZA

Era uma vez um casal
que só queria que o tempo mudasse
sonhava sonhos de chuva caindo
sonhava nuvens de cinza fluindo

Quando a chuva chegou
a janela molhou e o barro melou
mas seus corações alegres como nunca
verteram alegrias pelo ar!

Porque não há cinza que resista
à arte abençoada de se colar
energia trocar felicidade conquistar
Melodias de amor fazer vibrar!

Liz Rabello


QUERO DA VIDA


Um lindo gramado verde,

manacá da serra florido,

amigos, família, filhos

meu amor para sonhar

minha Vareta para me alegrar!

Nada mais...



Liz Rabello 








RAFINHA EM SEUS ANIVERSÁRIOS

Desde muito pequeno, Rafael descobriu a Livraria Cultura, não os livros, mas os Legos, a quem nos surpreende com montagens rápidas. Coleciona e adora fazer aniversários, porque é quando pode escolher os jogos que ainda não tem. Este ano, liguei para ele dizendo-lhe que não poderíamos ir ao Bourbon, nem ver um filme em 3D, nem passearmos na Cultura, para a escolha tão esperada. Disse-lhe de minhas dores e de que estava indo para  o PS. Ele chorou ao telefone. Ficamos ambos muito tristes. Mas tão logo melhorei, fizemos uma surpresa. Fomos buscá-lo para a tão sonhada tarde. Eis o meu amor escolhendo tudo e se contentando com pouco. Entre os escolhidos, só o que cabe no bolso é comprado. Ele sempre fica feliz.


ENTRE UMA DOR E OUTRA PELOS OSSOS DO MEU CORPO...
TANTO AMOR SÓ CURA!


OBRIGADA PATRÍCIA... QUE ALEGRIA VOCÊ ME DEU!




NALU E NICOLAS











QUE ABSURDO!

O filho de um amigo, de apenas dois aninhos, após ouvir minhas queixas contra as novas tecnologias e  dificuldades de aceitação, repetiu ao pai, assombrado: "Que absurdo! Ela não sabe ligar a TV!"... E mais recentemente, em uma nova visita, o mesmo pai me dizia que Davi já tinha aprendido a ler. E eu: "Meus parabéns, menino esperto! Me diz, o que mais aprendeu? - A resposta veio feito bomba: "Escrever, pintar, desenhar... E você, já aprendeu a ligar a TV?" Pior que não!

Liz Rabello





MURILINHO, ESQUELETO

Não sei se eu já te contei. Mas se não, aí vai. Li o livro da Stela Car “PEDRINHO, O ESQUELETO” para o meu netinho quando tinha por volta de quatro anos. Parei antes do desfecho e ele aos trancos e barrancos fez um final inusitado. Em sua criação, Pedrinho voltou ao normal após evacuar o que causara a mudança no banheiro feminino. Enquanto o menino voltava a ter corpo e roupas visíveis aliviado, o diretor corria pelo colégio muito zangado, querendo saber quem sumira com o vaso sanitário.” Depois disto perdi o livro. Cansei de falar para a encarregada da Sala de Leitura do Colégio em que trabalhava para procurá-lo, porque queria usá-lo como estratégia de aula com minhas crianças. Nada! Evaporou do mapa! Há uns dois anos atrás, na estante do Rafinha, no quarto dele, lá estava o livro, remendado, pontas rasgadinhas, velhinho de manuseio. Ele me disse assustado: "Vovó não mexe neste livro, eu adoro!"  Enquanto explicava sobre responsabilidade e coisa e tal, na necessidade de devolvermos o que não é nosso, minha nora me disse que vira e mexe pega-o lendo e rindo às gargalhadas. Fiquei sabendo que fez a professora da Sala de Leitura do Miranda, onde meu neto estuda, comprar o livro e fazer a atividade igual como fiz com ele anos atrás, ou seja, ler e parar de ler antes do fim, para a construção de desfechos. Não é incrível?

Liz Rabello








CADA NOVO SER TEM SUA PRÓPRIA FACE

Dany era enfermeira e durante toda a gravidez trabalhou no plantão noturno. Claro que a Bianca acompanhou atentamente os movimentos da mamãe. Alimentou-se de noites em claro e aprendeu a dormir durante o dia.  Assim que nasceu continuou com a mesma rotina, deixando os pais, a avó e toda família maluquete em noites em claro e dias mal dormidos.

Aos cinco meses de vida, ninguém mais sabia o que fazer para que Bianca dormisse durante a noite. Até chás e benzimentos com a velhinha da esquina foram testados. Para que a mãe descansasse um pouco, todos vieram passar um fim de semana na minha chácara. Como a família é grande demais, foram necessários vários colchões arrumados pela sala um ao lado do outro. Bianca se encantou com o “novo” jeitinho de dormir acordada e brincou demais até realmente sucumbir nos braços de Orfeu. Pela primeira vez uma noite inteirinha., descansando e deixando todos felizes! 

Resultado: Já em casa, os pais passaram a movimentar colchões em direção à sala e a brincar com ela até que dormisse pra valer!

Liz Rabello





A MELHOR PROFISSÃO: APOSENTADO

Meu netinho passava dois, três dias comigo até seis meses atrás. Brincávamos em piscina improvisada ou de pintura a dedo. Lia para ele e ajudava nas lições. O maior castigo do acidente que me vitimou é este: Não tenho mais possibilidade de ficar com o Rafael, porque as sessões de fisioterapia são à tarde e não posso ir buscá-lo no colégio e trazê-lo para cá. Morro de saudades dele. Fui visitá-lo na sexta e no sábado. Não estava. Planos de fim de semana com o priminho e a madrinha. Quando liguei no domingo, e disse-lhe sobre minha gripe, ele respondeu sem pestanejar: “Vovó, tome um Benegripe e ponha uma máscara, quero te dar um abraço de saudades.”

Adiamos para o dia seguinte e o abraço chegou com o comprimido para a gripe, sem a máscara. No meio de uma longa conversa na sorveteria, onde fiquei só olhando, perguntei a ele o que queria ser quando crescesse. A resposta foi irônica, mas verdadeira: “Um aposentado! Olhe que vida boa você tem vovó: não precisa se levantar cedinho, não tem que trabalhar e pode me levar à sorveteria!”


Liz Rabello




UM PRESENTE DAS ESTRELAS



Nossa Júlia respira
Poesia
Vida
Alegria
Afagos
Sonhos
Amor
Eternidade!

São 28 semanas de pulsar
7 estrelas a bailar!

Ansiedade por ver sua carinha...

Liz Rabello




A metamorfose se fez...

Julia nasceu

Voou borboletas em flor

Tão pequenininha...

Tão fragilzinha

mas guerreira, vingou!

Um quilo e meio de puro amor

Mês seguinte já é assim

Dois quilos de felicidade!

Liz Rabello



LOUVADO SEJA DEUS!



TARDE ESPECIAL COM AMIGOS MUI AMADOS


ACREDITO NO AMOR
Amizades

Afetos

Carinhos

Acabam com as carências


Orações

Sinceridade


Virtudes

Trazem saúde



Como agradecer?

Só digo a vocês... Amigos

Acredito no Amor... Existe!



Liz Rabello



Visita muito especial à Liz e ao Carloz. Há pessoas que entram em nossas vidas para escrevermos uma história juntos, moldada por amor e amizade. Amei estar com vocês. (Sandra Ribeiro)



ELOS E PARALELOS

Gritava
Enfrentava
Venham
Podem me açoitar
Réguas voavam
Meninos de treze a quinze anos
Tomavam as dores de duas meninas
Sem rosto, sem história
Uma delas 28 mordidas no meu braço
A outra 29 no outro braço
Não doíam
O que sangrava
Era a mentira!
Um rosto apenas no meio das duas
Sem sorriso, sem maldade
Omisso!

Reunião
Só vi um diretor
Que com pais me agrediam
Mostrei as marcas de dentes
O espancamento de alunos ausentes
Réguas de tortura
Difícil minha profissão
Com tanto amor no coração
Com injustiças em fartura
Que atire a primeira régua novamente
Quem aqui me conhece verdadeiramente
Todos saíram e nenhuma régua voou!
Um rosto apenas no meio da turba
Sem sorriso, sem maldade
Omisso!

Acordei em prantos!
Doíam-me dores de espancamento
Mas muito mais as dores da carreira quase finda
Quantas vezes sofri injustiças???
Quantas vezes hipocritamente alguém me acusou???
Eu que tanto já ofereci a vida
Em prol do ensinar, do amar, do aprender!
Eis que me vem à memória o rosto
Um rosto apenas no meio da luz
Sem sorriso, sem maldade
Omisso!

Um nome
Uma identidade
Uma foto
Outrora
Num tempo feliz
Mostra Cultural no Fontenelle
Tema: Paz! 2001
Mandala de corações e roupas brancas
Cascatas de sentimentos emoções
A me escrever, a me dizer
O quanto o amor valeu a pena!
Um sorriso sem omissão!
Muito obrigada, coração!

Liz Rabello

2 comentários:

Aqui você pode comentar...